Vinícola Cainelli – A vinícola festeira de Bento Gonçalves!

Beba um gole desse Tempo, feche os olhos e imagine qual parte desta história, essa pequena porção tocou sua boca.”

“Beba um gole desse Tempo, feche os olhos e imagine qual parte desta história, essa pequena porção tocou sua boca.”

Bento Gonçalves – Vale do Rio das Antas – Estado do Rio Grande do Sul – Brasil

Rustica, festeira, familiar, a Vinícola Cainelli traz no seu DNA o cultivo da uva e do vinho, cujas raízes italianas, são muito vivas nessa família de vinicultores, priorizando a produção vitivinícola e o enoturismo, que marca uma presença muito forte na história dessa pequena notável, trazendo aos seus clientes, a paixão pela produção de vinhos, espumantes e sucos, exploradas nas mais apaixonantes experiências turísticas.

Família Cainelli – Roberto Cainelli Jr., Bernadete Cainelli, Roberto Cainelli

Com uma trajetória histórica cativante, a vinícola se ampara por princípios consistentes tendo como missão, oferecer a experiência do vinho e estar presente nas experiências de todos que apreciam o processo de cultivo e preparação da bebida.

“Onde você quer estar? O que você quer sentir? Seu corpo é seu templo,

e a energia que te alimenta é também, a que te mantém vivo. Para tanto, queira o melhor, sempre:

os melhores amigos, as melhores emoções, os melhores sabores…”

A pequena vinícola, que também abriga um museu e busca transmitir em cada garrafa, os sentimentos, as lágrimas e os sonhos da história de um jovem italiano que, em 1875, decidiu embarcar num navio, para o Brasil, o qual ele chamava de “paese della cuccagna”, expressão que, traduzida para o português, quer dizer “terra da abundância”.

E lá se foi o jovem Gaspparo, partindo do Porto de Gênova, e desembarcando no porto de Santos, levando em suas bagagens, mudas de videiras porque o objetivo dele, era elaborar vinhos. E foi ali então, em 1875 que o jovem aventureiro se estabeleceu e iniciou a história da família Cainelli.

E foi na casa, onde viveu o jovem italiano com sua família, que seus descendentes transformaram em museu, e nós do Café Conto Encontro, visitamos essa casinha daqui do Texas, através do facetime, apresentada com detalhes pela Cleonice Sperotto, que faz parte do time da vinícola Cainelli. 

Essa casa amarela de 1929, seria realmente, um cenário perfeito, para um filme sobre a história da imigração italiana no Brasil.

O museu fica na parte superior da vinícola, onde a estrutura original foi mantida, com quartos, sala, sótão, equipamentos de vivificação antigos, utensílios de casa, e também, outros que foram doados pela comunidade, expostos com os nomes de suas famílias. É um lugar com muitos encantos, próximo à famosa vinícola Salton.

A vinícola é antiga e chegou a encerar suas atividades por volta de 1960, porém, anos depois, o Sr. Roberto Antônio Cainelli, trouxe a vinícola Cainelli de seu bisavô Gaspparo, de volta ao mercado, elaborando vinhos e mantendo vivo, o sonho do jovem italiano aventureiro.

Seus descendentes dizem que o amor pelo vinho corre no sangue dos vinhateiros (pessoas que produzem seu próprio vinho) e graças a essa paixão pelo vinho do jovem Roberto Antônio Cainelli Jr., que faz parte da quinta geração da família, a vinícola voltou a funcionar fazendo renascer as tradições de seus antepassados e desta história que começou ainda na Itália em 1875 e prosseguiu no porão da casa familiar no interior de Bento Gonçalves, elaborando bons vinhos e espumantes.

Roberto Cainelli Jr., atualmente faz parte do comitê da 17ª. Fenavinho atuando como diretor geral, membro da camara técnica de turismo de Bento Gonçalves como diretor membro do CIC (Centro da Indústria e Comércio) FEDERASUL Jovem e Diretor de Relacionamento Vitivinícola do CIC – BG. Atuou também, nas vinícolas Salton, Aurora e Valduga.

A festa da colheita da uva, um momento de alegria, diversão, música e dança.

A vinícola Cainelli é muito concorrida na época da colheita da uva entre janeiro e março, e vale a pena conferir porque é um passeio inesquecível.

E durante o período da Vindima, a Cainelli oferece pacotes especiais com colheita simbólica, e também, uma famosa merenda debaixo das parreiras; pisa das uvas, uma experiencia fantástica que simboliza a safra e de mais um ano trabalho.

Cuca de uva, salame, queijo colonial, geleias caseiras, vinho e a famosa  polenta brustolada , um prato muito usual no Sul do Brasil, uma herança dos imigrantes italianos! Trata-se da polenta preparada na chapa de ferro ou diretamente na chapa do fogão a lenha. Come-se no café da manhã, mas você encontrará polenta brustolada em qualquer cantina ou galeteria no Sul do Brasil.

A pisa das uvas

E a festa no parreiral não para!

Quem se recorda daquela canção napolitana Funiculì Funiculà? A cantoria é bem assim! E embaixo do parreiral, entre as polentas brustoladas, os chapéus de palha e suspensórios dos senhores, o som do acordeões e dos acordes das violas, vinhos e as saias das senhoras, a festa continua!

Neste vídeo, o Chef José Luiz prepara uma saborosa Cuca de Uva que ficou literalmente espetacular. O Alemão Lisandro vai para Bento Gonçalves/RS, no período da Vindima, participar da colheita, e ainda, irá fazer um vinho a moda antiga, com lindas imagens e a hospitalidade das “nonas”- nonni (nonni – avós em italiano) e dos colonos italianos da Vinícola Cainelli. Você vai se divertir muito! Ele é engraçadíssimo e você irá se divertir muito assistindo este video.

Os vinhos e as degustações da Cainelli

No primeiro andar da casa amarela do jovem italiano Gaspparo, está a loja com vinhos e produtos típicos de produtores locais, inclusive semi joias feitas de cristais das uvas que são coletados dentro dos tanques, coisas muito interessantes.

A geleia de uva colonial é algo indescritível.

A uva Lorena e um vinho 100% Nacional

A vinícola Cainelli tem investido na produção da uva Lorena e já tem seu vinho Lorena da safra de 2021, que é o único vinho de uva brasileira cultivada junto à EMBRAPA de Bento Gonçalves, ficando 15 anos em pesquisa até chegar à elaboração do vinho. A uva é especialmente indicada pela Embrapa para a elaboração de vinhos brancos de mesa, espumantes e frisantes.

Um vinho obtido desta uva tem cor amarelo-palha, com reflexos esverdeados. É muito similar ao Pinot Grigio.

Seu aroma é intenso e possui boa acidez, sabor floral, frutado e retrogosto delicado. 

Nem todo mundo sabe, mas o Brasil possui uma série de uvas 100% nacionais, obtidas em cruzamentos desenvolvidos pela Embrapa – Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária, e adaptadas às condições de produção do país. Uma delas é a uva Lorena. Seu nome oficial é BRS Lorena e é uma uva “vitis vinífera” branca obtida através do cruzamento da Malvasia Bianca (“vitis vinífera” de origem grega, que chegou ao Brasil pelos imigrantes italianos) com a Seyal (“vitis” americana), em 1986, e lançada em 2001.

A uva Lorena

Temos mais uvas brasileiras além da uva Lorena, como a uva BRS Vitória, uma uva com sabor de frutas vermelhas, lembrando morango. A BRS Melodia, atraiu a atenção ao ser testada nos parreirais do semiárido nordestino, por seus sabores diferenciados, que conquistam consumidores.

As degustações da Cainelli

Como a vinícola possui uma variedade incrível e diferentes de espaços, e também, uma variedade de degustação a oferecer aos seus visitantes, e você pode fazer um belo e pitoresco picknick, com tábuas de frios maravilhosas embaixo do parreiral, algo bem diferente, onde os turistas se divertem muito.

A vinícola também conta com um restaurante/Bistrô, onde você pode degustar e saborear as pizzas assadas em forno à lenha e outras delícias, além daquele churrasquinho, típico gaúcho, que você só encontra na terra do churrasco.

Vinícola Casamenteira

Casamentos também acontecem nesta vinícola! E a casinha amarela do velho Gaspparo, se tornou também, cenário de união de muitos enamorados!

Eu tive um prazer enorme em escrever esse artigo, não apenas pelos contos, pelas histórias, mas pelo contato direto que eu tive com essa vinícola, e eu gostaria de agradecer muito, muito e muito, em nome do nosso Portal Café Conto Encontro, à Cleonice, qual chamamos carinhosamente de Cléo, pela nossa convivência virtual durante as semanas de contato.

Eu tive um apoio enorme da vinícola na pessoa da Cléo, para a elaboração desse artigo, estando lá diversas vezes pelo facetime e vou dizer uma coisa: Eu estou encantada! E indo ao Brasil, a minha primeira parada será lá em Bento Gonçalves!

Deixo aqui a minha gratidão, admiração, o meu afeto, respeito, e sincero agradecimento a toda família Cainelli e todas as pessoas que compõem o time maravilhoso dessa vinícola. Eu também tenho uma forte ligação de amor com a Itália.

E encerro aqui, essa história tão rica de conteúdo, com uma receita de polenta brustolada, prática, rápida; possível preparar na frigideira, sem a chapa de ferro, porém como preparar, te aconselho fortemente, ir até à vinícola Cainelli aprender com o Sr. Nei Tomasi! Muitos risos!

Chris Barbato

Polenta brustolada com queijo parmesão

1 xicara de chá de fubá fino
1 xicara de chá de água
5 xicaras de chá de caldo de legumes ou água
3 xicara de chá de queijo parmesão
Sal a gosto

Sobre o Tempo Petit Verdot – O vinho escolhido para a capa do nosso artigo

Vindima: 2018 Variedade: Petit Verdot; Terroir: Vale do Rio das Antas
Visão: Límpido e brilhante, de coloração vermelho violáceos com reflexos avermelhados e lágrimas de alta intensidade.
Olfato: Fruta vermelha com notas de especiarias, frutas do bosque e toque de baunilha e chocolate.
Paladar: Apresentasse corpo intenso, rico em taninos maduros, possui interessante persistência gustativa.
Consumo: 16º a 20ºC. Álcool: 12,4%
Açúcares totais em glicose: 2,20g/l
Harmonização: Carnes vermelhas em geral, hambúrguer grelhado, massas molho branco.

Comentários sobre os vinhos e sobre a vinícola

https://restaurantguru.com.br/Vinicola-Cainelli-Bento-Goncalves-2

https://www.vivino.com/BR/pt/vinicola-cainelli-cabernet-sauvignon/w/1730621

Role, e deixe seus comentários mais abaixo

  1. Conhecer os vinhos da Cainelli foi muito interessante, diferentes castas. Rótulos expressivos e surpreendentes. O vinho Tempo Petit Verdot é um vinho de muita complexidade de aromas, uma persistência em boca que chama muita atenção, um vinho muito equilibrado. Gostei muito e recomendo a todos.
    A Vinícola Cainelli tem excelentes vinhos para todos os paladares.

    Em relação à visitação, conheço outras vinícolas do Sul maravilhosas mas, a experiência que tive junto ao grupo de apaixonados por vinhos que levei, foi sensacional, uma imersão na cultura do vinho de uma forma simples, rústica mas com muita delicadeza, alegria e o amor pelo o que fazem , transmitem para nós, visitantes, uma emoção inexplicável. Vi pessoas emocionadas durante a colheita e confesso que também fiquei. Foi uma energia tão boa que só tendo essa experiência in loco você poderá entender. No próximo ano estarei lá com outro grupo, querendo sim , que mais apaixonados pela cultura do vinho tenham essa experiência na Cainelli.
    Kely Corrêa
    Sommelière

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *